Notícias - Escola de Aviação Civil CEAB
escola de aviação, comissaria de voo, comissario de voo,comissaria de voo são paulo,curso de comissaria de bordo sp,comissaria de voo brasil,comissario de voo são paulo,comissario de bordo,curso de comissaria de bordo,comissario de bordo curso

Star Alliance segue apostando em negociações com a Azul

Em entrevista à Air Transport World (ATW), o CEO da Star Alliance, Mark Schwab (foto), informou que a aliança pretende intensificar os investimentos em tecnologia nos próximos anos, e que mesmo com a crise econômica no Brasil continua apostando nas negociações com a Azul Linhas Aéreas para o ingresso na aliança.

“Há algumas regiões no mundo que merecem mais atenção quando se trata de fazer negócios, e nesse caso podemos citar a Rússia e o Brasil. A Rússia porque está modificando sua estrutura aeroportuária, o que já é motivo suficiente para que evitemos nos envolver. Embora as companhias aéreas membros ofereçam bons acessos de e para destinos internacionais na Rússia, ainda nos falta a conectividade doméstica no local”, conta.

“No que se refere ao Brasil, vejo que o País passa pela maior crise econômica que já constatei. Continuamos tendo conversas ativas com a Azul Linhas Aéreas, mas entendo perfeitamente que a companhia tenha definido suas prioridades em relação às atuais condições de mercado. Eu gostaria de ter resolvido isso durante o meu mandato (Schwab deixará o cargo no próximo dia 1º, quando passa a função ao CCO Jeffrey Goh), mas entendo a realidade. Afinal, é preciso um esforço significativo e recursos para se juntar à aliança”, afirma.

JOINT VENTURES ENTRE AÉREAS
De acordo com ele, a tendência é que as companhias aéreas que fazem parte da aliança continuem se unindo em joint ventures. “A indústria em si está buscando mais consolidação. Há ainda muitas aéreas em todo o mundo, e tendo desafios como o desenvolvimento de capacidade atual e os rendimentos sob pressão, as joint ventures estão ajudando as companhias a lidarem realisticamente com as exigências do mercado", ressalta o CEO da Star Alliance, destacando que a as companhias aéreas podem gerar mais valor por meio de uma joint venture do que por uma aliança de codeshare.

*Fonte: Air Transport World

conteúdo original: http://bit.ly/2hWCdls

Fonte: Panrotas